QUARTA 8 FEVEREIRO, 21H30

CCVF

Marco da Silva Ferreira

Direção artística e coreografia Marco da Silva Ferreira

Assistência artística Catarina Miranda

Performers André Speedy, Fábio Krayze, Leo Ramos, Marc Oliveras Casas, Marco da Silva Ferreira, Maria Antunes, Max Makowski, Mélanie Ferreira, Nelson Teunis, Nala Revlon

Desenho de luz e direção técnica Cárin Geada

Música João Pais Filipe (percussão) e Luís Pestana (música eletrónica)

Figurinos Aleksandra Protic

Cenografia Emanuel Santos

Estudos antropológicos Teresa Fradique

Danças folclóricas Joana Lopes

Produção Joana Costa Santos, Mafalda Bastos

Estrutura de produção Pensamento Avulso

Difusão ART HAPPENS

Coprodução Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural de Belém, Big Pulse Dance Alliance, co-produced by New Baltic Dance (Lithuania), Julidans (The Netherlands), Tanz im August/HAU Hebbel am Ufer (Germany), Dublin Dance Festival (Ireland) and ONE Dance Week (Bulgaria), co-funded by the Creative Europe programme of the European Union, Centre Chorégraphique National de Caen en Normandie, La briqueterie – CDCN du Val-de-Marne, Maison des arts de Créteil, KLAP- Maison pour la danse, CCN-Ballet National de Marseille, Charleroi danse, centre chorégraphique de Wallonie - Bruxelles, December Dance (Concertgebouw and Cultuurcentrum Brugge), La rose des vents – scène nationale Lille Métropole – Villeneuve d’Ascq, TANDEM Scène Nationale Arras-Douai

Apoio República Portuguesa – Cultura, DGARTES – Direção Geral das Artes

_
Fotografia © José Caldeira

Duração 1h15min.

Marco da Silva Ferreira
10,00 eur / 7,50 eur c/d

COMPRAR

COMPRAR

2023.02.08 GD23 Marco da Silva Ferreira Carcaça

Em “Carcaça”, Marco da Silva Ferreira usa a dança como ferramenta para pesquisar sobre comunidade, construção de identidade coletiva, memória e cristalização cultural. A coreografia – que parte inicialmente de footwork saltado como motor agitador e acelerador – desenha progressivamente um corpo vibrante, rebelde e carnavalesco. Um elenco de 10 performers forma um coletivo que pesquisa sobre a sua identidade coletiva num fluxo físico, intuitivo e despretensioso do corpo, da dança e de construção cultural. Os passos, complexos, mas feitos com sapatilhas simples, trazem não só o som ao palco, mas também as trocas entre as energias cinética, térmica e luminosa. Os sons físicos são acompanhados ao vivo pela bateria de João Pais Filipe e a música eletrónica de Luís Pestana, uma trilha sonora acelerada que interliga referências da música tradicional, da música pós-moderna e da música de clubbing.

No final do espetáculo
Talk com Marco da Silva Ferreira

Moderação Cláudia Galhós

Website desenvolvido por Bondhabits.
Agência de marketing digital e desenvolvimento de websites e desenvolvimento de apps mobile